MÃES PROTETORAS x FILHOS INDEPENDENTES



Sempre temos uma visão de que nos pais são heróis, imaculados, que não erram, mas com o tempo percebemos que eles são tão humanos quanto nós e que erram, e é ai que se coloca em prova o seu amor infinito, é ai que se descobre que você os ama.

Mães super protetoras, que muitas vezes subconscientemente castigam suas crianças por não quererem sua proteção ou que em algum momento da vida desejam seguir suas vidas e não tem o apoio dos pais, mas não é uma coisa que se tem controle, é o medo da perda que muitas vezes assombram os pais e fazem com que eles tenham atitudes de chantagens materias e emocionais para com seus filhos.


Pais tem uma influência muito forte para seus filhos nos primeiros anos de suas vidas criando barreiras, dificuldades, medos e ensinamentos que marcam seus filhos, que fazem com que reajam a essas inseguranças e medos de formas diferente de acordo com sua personalidade.

É fato que durante nossas vidas somos pressionados a sempre fazer as escolhas que todos achavam ser certas para o seu futuro. Escolhas que muitas vezes não são o que queremos.

Precisamos criar mecanismos de defesa para que esse tipo de violência social não nos machuque tanto. Nos tornamos adultos precoces, amadurecemos nossos pensamentos nos primeiros anos das nossas vidas, onde nossa infância se tornava um laboratório de observação do comportamento do mundo adulto.

Para a grande maioria isso não passava de uma grade brincadeira (solitária) sempre atento e observando atitudes dos adultos ao nosso redor e tentando imita-los, fazendo associações do que é certo e errado e tentando compreender no que aquilo poderia nos ajudar a ter a aprovação dos outros.

De certa forma isso nos ajuda a ter a atenção das pessoas ao nosso redor, os elogios e as recompensas diárias alimentam nossos egos e confortavam o nosso sofrimento interno.

Talvez eu não percebemos que o que fazemos é um flagelo diário sem motivo, mas por pressão social, que só com o passar do tempo entendemos.
A grande maioria das pessoas que tem como característica principal “ser independente” provavelmente passaram por esse tipo de flagelo na infância sem saber o que fez com que eles quisessem ser o que são  e ter a aprovação de quem mais eles amam, os pais, e muitas vezes essa aprovação não veio, vieram de todos os lados, menos de quem eles esperavam e isso de certa forma se tornava uma alavanca para sempre fazerem coisas para aprovações e sempre a querer mais.

Isso pode ser de uma forma destrutiva se a pessoa não parar, respirar e pensar o porquê está fazendo aquilo, refletir, ter ajuda e se libertar desse processo de mutilação.

A capacidade de amar realmente é sublime e supera qualquer trauma mesmo que isso tenha feito você se flagelar por medos e insegurança de quem cuidou, foi pai e mãe seu, você descobre que pode perdoar e que está liberto de uma culpa que não é sua e a partir daí você consegue viver sua vida e fazer suas escolhas pelo que você é, pelo que você acredita.

Essa percepção é variante para cada pessoas, algumas percebem isso cedo demais, outras tarde, algumas não percebem e outras sabem conviver com isso a vida toda.

Eu sofri durante alguns anos na minha vida por esse complexo, mas hoje consigo enxergar com clareza os fatos, foi difícil perceber tudo isso, mas foi libertador e vejo que não há um grande vilão, hoje tirei a imagens de imaculados dos meus pais, por serem protetores, por não festejarem da forma como eu queria as minhas vitorias e conquistas, mas eu os amo e sei que eles precisam de mim, sei que eles são meus heróis, mas são humanos também, se não fosse pelos medos e inseguranças deles eu não teria me tornado a pessoa que sou hoje, tenho muitos adjetivos que posso atribuir a mim como pessoa e profissional, não foi fácil aceitar que meus heróis são tão humanos quanto eu e que erram, mas foi uma libertação e me fez aproximar mais deles e a compreender melhor quem eu sou e do que eu sou capaz.

Nenhum comentário: